Ciranda Poética – “Renascer” – Participantes…

 

 

Continuar,sempre renovar!

Renascer,

Bela poesia para quem

quer aprender:

Ao resistar este espaço, o que queria ver!!!!!!

Boa sorte, força para vencer.

 

Maria Mendes

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

Renascendo…

A noite cai na terra
A escuridão percorre
Cada centímetro do meu corpo
Num caminhar frio…

Mistura-se com meu sangue
Percorre-me as veias.
Ataca-me o coração
Derruba minha alma

Sinto-me perdido
Num mundo de dor
Sem luta sem cor..

Cerro os olhos…
Uma luz alcança-me
Teu beijo faz-me renascer
Da sombra da vida..

Meu coração volta
O sangue circula de novo
Meu corpo ressuscita
Meu amor renasce…

 

Eduardo Martins

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

Renascer

 

Este ano acabou

Com as páginas todas escritas

Tem folhas da cor de breu

Outras azuis, cor do céu

Algumas, com desejos fúteis

Muitas de lágrimas inúteis…

Foi um ano que escrevi

De dores e sonhos que vivi.

E se algum desejo, não foi realizado

Este livro, é já passado.

 

No ano que agora começa

Um livro novo me é entregue

Pelas mãos do Criador

Um livro apenas branco

De folhas sem qualquer cor

Mas eu vou acreditar

E dar forma, ao recomeçar

 

E se algum dia tropeçar

Cair e me perder

E se noutro voltar a chorar

E o coração voltar a doer

Mesmo assim eu acredito

Que meu livro, estou a escrever

E como a lenda da Fénix

Que morre incinerada

Das cinzas, e com mais força

Voltarei, a renascer

 

Angelina Andrade

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

 

Renascer

 

Renasço a cada dia

A cada gesto

A cada olhar

Renasço nas madrugadas,

Nos momentos que me dou

E nos que me dedico a amar

 

Renasço a cada amanhecer

Nas alegrias

Nas tristezas

Renasço depois da desilusão

No juntar dos pedaços

Que refazem o coração

 

Renasço sempre que tiver de renascer

Porque é assim que eu quero

Porque me recuso a deixar-me morrer…

 

Liz

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

 

Renascer

 

Renascer, renascer das cinzas?!

Renascer um livro que ficou esquecido nas entre linhas.

Renascer uma partitura em que a nota se foi deixando ficar,

Sem ter força ou espírito para tocar.

Renascer, renascer…

Que palavra tão conclusiva na vida com um sentido positivo

Mas nem sempre se consegue renascer e acaba-se por morrer.

Por existir me cegam, me julgam ou me condenam,

E para poder viver tenho que voltar a renascer…

Passo a passo volta-se a nascer de um amor quase morto,

Sem condenações ou julgamentos que me ajuda a viver.

Renascemos do ritual dos deuses, e dos ses segredos interditos

Renascer, renascer das cinzas?!

,Renascer das nuvens, das cidades e dos desertos

Renascer para  voltar a viver.

Renascer do ritual dos amores,

Do ritual dos amantes que renascem por uma ilusão ou felicidade perdida

Renascer o jardim que ficou submerso e quase matou as flores

Renascer os poetas vivos e quase esquecidos.

Renascer as linhas que quase se apagaram.

Com saudades dos poetas adormecidos.

Cada renascer será o começo.

De uma historia vivida por mim e por ti.

Onde estamos há-de estar o vento,

Onde vivemos há-de ser um templo,

E de lábios incertos e braços estendidos,

Com o gosto a sol, a vida e a sangue dos sentidos

Voltaremos e renascer para voltar a viver

Renascer, renascer das cinzas…

Meu corpo, meus sentidos, renascer meus gemidos,

Renascer a minha falsa beleza que não vi,

E me persegue desde que nasci,

Renascer para voltar viver, e se hoje vivo,

Foi por ti que renasci.

 

03-01-2010

15h10m

Autoria…Elsa.M

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

 

RENASCER

 

A vida é movimento incessante.

Porém, desde, o nascente até o poente,

Traz um desejo implícito, predominante,

De estabilidade, de acomodação.

 

É feita de luta, onde se sofre e chora.

É como se fosse íngreme subida,

Que por vezes, dá medo, apavora.

Chegar ao seu cume, é a meta, é a vitória.

 

A vitória traz desejo de inação.

Esquece-se que a vida,

É como o pendulo, de um carrilhão,

Que metódico, faz sua trajetória.

 

Ora, frágeis sucessos, ora, aparentes fracassos.

Vive-se de ilusão neste contexto.

Se da vida o conhecimento, não fosse escasso,

Entender-se-ia que ela é de eterno recomeço.

 

Ao compreender que, a inércia, é filha da preguiça.

Depois de um período, de tristeza e até de luto,

Pelos sonhos perdidos e, até sofridas injustiças,

Renasce-se outra vez, em movimento firme e resoluto.

 

Rosangela

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

Renascer

 

No deserto que foi a minha vida

Surgiste como oásis verdejante;

A cristalina água que é bebida,

Saciando, alquebrado o caminhante.

 

Eu estava como árvore ressequida

Num desfalecimento angustiante;

Trânsfuga de mim próprio, sem guarida,

Afugentado, numa senda errante!

 

Mas dessa terra, de lonjura imensa,

Com essa tua afável benquerença,

Te abeiraste de mim, tão fascinante…

 

Minha vida ganhou novo fulgor,

Em meu redor, ouvindo hinos de Amor,

Num belo renascer inebriante!

 

 

João Manuel Robison Crosue

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

Vasculho e enrolo suspiros

 

Ergo o olhar

Pelo denso pinhal

Que veste o manto deste frio!

Procuro por entre as sombras

Freixos de luz…

 

Vagueio por trilhos vulgares

Que agora sinto distantes

Do sono que me embala!

Volto ao lugar

Por onde os sonhos floresceram

E tudo se transformou!

 

Nada se encontra

No mesmo lugar…

Será da minha visão?

Todo este desabitado

Na realização do meu imaginário.

Ou será que tudo foi concluído

E agora é esta a fulguração do sol?

 

Volvo todo o âmago

Vasculho e enrolo suspiros

Nos prantos do vento,

Uma estranha alvorada

Acorda toda a pigmentação dos meus cantos.

 

Vislumbro nos rios parados

Um espelho de água

…Sorriu

E no silêncio abro

Uma voz acanhada

Um riso leve sobre a brisa amanhecida!

 

Encontro uma flor

E caminho pela berma do pensamento

Repleta de nada

Ao encontro do tempo

Efémero

Na eternidade do vento

Que acalenta o luar

De uma noite qualquer!

 

Renasce um novo universo

Nas alas da nostalgia

E os sonhos acontecem

Mais uma vez…

 

Ana Coelho

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

 

RENASCER

 

Noite de inverno que se demora

Longa e sombria

Zune a ventania. Um adeus à porta…

Alguém que vai embora

Partida que não se esquece

Deserção. Alma em atropelos

Olvido dos ideais mais belos

Frustração que ninguém conhece…

 

Renascendo para um novo dia

A luz se faz presente. Cessa, por fim a tempestade.

Renasce o trigo…Germina a semente

Chuva e Sol. Milagre da fertilidade

Espera ainda…Contemple a Aurora tão linda!

A poda que faz renascer o broto verde

P’ras flores da Primavera, é a mesma

Que restaura a vida em outras Eras.

 

E, além do que é capaz

A estrela brilha sempre mais

Na noite mais escura!

 

Do pântano ameaçador

Abre-se pleno de alvura e perfume o lírio

De incorpórea dor…

 

Andorinhas em revoada cortam os ares

Eis!…Que é verão!

O fio d’água solitário que desliza pelas matas

Por trilha íngreme e obscura

Procede da fonte mais pura

Embora, carregue em seu curso

Lama, lodo e estrume

Sempre alcança o seu destino: – rios e mares!

 

Espera ainda…

Depois da névoa das noites longas e frias

Novo ciclo se inicia para o teu alvorecer

Deixa-te cortar agora, nesses tristes dias

P’ra recuperar a sua vida renovada e sã

Qual se realizasse em si, o parto que libera o brilho

De estrela oculta para as noites e as manhãs

Do teu glorioso renascer!…

 

Simplesmente Lu…( Maria Lucia)

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

 

Ensaio para um novo renascer.

 

 

A poesia escorre-te dos teus dedos
em cascatas de palavras
nesse mistério infinito
que é a palavra
vivida e sentida
no corpo e no Ser.
São cristalinas as palavras
com que te vestes
de metáforas feitas
como as águas do mar
que te viu
nascer.

Das tuas mãos
escorre-te as mágoas
silenciosas e fugazes

É nas madrugadas
claras e e brilhantes
que despertas
dos sonhos errantes
despes o corpo do cansaço
das palavras inconstantes
e ensaias um novo
renascer.

 

São Gonçalves

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

O Soneto do Retorno

Vendo-o com os olhos e vistas turvas
desfalecer sobre meus braços de aparência lânguida
faz-me brotar um soluçar lacrimoso, insana…
Por perder aquele ser amado às funduras!

Cada gota cai do meu rosto às fulguras
da tez negra do meu desfalecido – santas
e sacrais lagrimas; sinto-me ir em rodopios de dança
Inerte e ébria, como as de cerimoniais dulcidas…

…e vejo, um luzir d’o seu corpo
Por sair e cingir todo o lugar.
Mas como? Só eu pressinto este adejar

sóbrio e lindo? – Voltei a ti em outro.
Voltamos não apenas ao nosso amor tolo
E sim, Àquele do alto a sempre nos verdadeiramente
amar

A Deus, ao Infinito!

 

Tássio Bruno

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

Renascer das Cinzas

Abro os olhos,…languidamente,
Num despertar de um sono profundo.
Apenas vejo claramente
Que não conheço este mundo.
Cego de ambição,
Parco em solidariedade;
Rasgado de solidão,
Mascarado de verdade.
Onde estou? Que casa estranha?!
Quem sou, que não me reconheço?
E em confusão tamanha,
Fecho os olhos, desfaleço.
Passam dias, passam anos,
Sem vontade de viver.
Contam-se perdas e danos,
P’ra voltar a renascer.
No alto da colina branca,
Dás-me a mão de mansinho.
Um sorriso feito manta,
Para mostrar o caminho.
Como o sol no horizonte,
Como a Fénix renascida;
Como o mar debaixo da ponte,
Braços abertos p’ra a vida.
Se do pó se fez o homem,
Do nada se fez vida;
Se as mágoas tudo consomem,
Volta a Fénix renascida.
Abro os olhos, languidamente…
Num despertar de um sono profundo.
Dás-me a mão suavemente,
Fazes-me renascer para o mundo.
E renasço em cada dia,
Como o sol no horizonte.
Olho a vida…que alegria(!),
Corre o mar debaixo da ponte.
És tu, meu mar sereno;
És tu, eterno ser…
Brisa doce, sol ameno,
Que me fazes renascer.

Maria Leão

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

 

Renascer

 

Renasce o dia com o céu límpido!

E seu olhar…profundo e triste.

Este olhar cheio de luz que se foi…

De frente para o vale…nem viste

a beleza das águas ,nem os pássaros

que voavam ao seu redor.

Na dimensão do vazio estava tua alma…

querendo o Amor!

Bucaste em todos os lugares,este

amor que se perdeu,

na trilha da vida…

És que você renasce, seu olhar

ilumina ao encontrar o Amor

dentro de ti mesmo!

Sua liberdade de renascer,foi

a intensidade do seu querer…

Deslumbrando a meiguice ao olhar

os lírios do vale,que não se perdeu jamais!

Cantaste uma canção,como uns dos versos

mais lindos para o seu amado,emergindo

no doce Amor,deleniando o seu renascer.

És que agora o Amor não se foi…na luz

infinita do seu olhar!

Renasceste na sinfonia,nutrindo o

cântico de amor,desabrochando

num beijo sedento no tempo de Amar!

 

N@ti C@etano

°*•.,¸¸.•*°        °*•.,¸¸.•*°

 

Agradecemos também ao júri

 

 

Denise  Figueiredo

http://gotasdepoesia.spaces.live.com/

 

Manuel Poete

http://menestrel2.spaces.live.com/

 

Mina Pêgo

http://anim1952unitedstates.spaces.live.com/

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s